30Apr2011

Inspiração que deveria “pegar”

Não é o vestido, nem a tiara e nem as daminhas. Achei linda a oração dos noivos, e achei lindo o fato dos próprios a terem feito!

“Deus nosso Pai, nós agradecemos pelas nossas famílias; pelo amor que compartilhamos e pela alegria do nosso casamento.

Nas ocupações de cada dia, mantenha nossos olhos fixos no que é real e importante na vida e ajude-nos a sermos generosos com nosso tempo e amor e energia.

Fortalecidos pela nossa união, ajude-nos a servir e confortar os que sofrem. Nós pedimos isso no Espírito de Jesus Cristo. Amém.”

Oração feita por William e Kate na cerimônia do seu casamento

29Apr2011

Ela ficou com o bouquet?

Alguém viu o que foi feito do bouquet quando terminaram as celebrações? Perdi algo?
Porque ela aparece na sacada com as flores na mão.
E passou pelo túmulo do soldado desconhecido. Registrado.

A pergunta que fica é: cadê?

29Apr2011

Plebeias podem, princesas não?

Estamos nós aqui encantadas com tanta coisa bonita que apareceu no casamento da realeza britânica. Mas uma parte de mim ainda estava aqui organizando as ideias, aquela sensação de que algo está meio fora de lugar, ou de que o mundo entrou em transe. Sei lá.

Acompanhando a imprensa aqui na Alemanha (para quem não sabe, é aqui que eu moro), li um texto super crítico que define todo o alarde como uma “loucura”, depois de criticar a realeza britânica, seus exorbitantes gastos com uma família que faz… faz o que mesmo pelo país?

Enfim. Não dá para traduzir tudo, é um texto longo, mas para quem tiver curiosidade e quiser arriscar a tradução do Google, o link é este aqui (em Alemão). Eu traduzi uns trechos abaixo para vocês que criticam o tal do protocolo, que não permite, entre outras coisas, que a noiva chore de emoção no seu próprio casamento, ou que o casal dê um beijo mais caloroso.

E deixando para vocês a perguntinha deste post, inversa daquele outro:

Afinal, plebeias podem, princesas não?

Casar como o Palácio, o Protocolo e a Vovó exigem
(Trechos do texto de Marco Evers, publicado no Der Spiegel)

(…)

O casamento de William e Kate é na verdade uma lamentável encenação. Dois jovens não se casam como gostariam, e sim como o Palácio, o Protocolo e a vovó exigem.

William, 28, conhece isso, está acostumado com isso desde que nasceu. Mas para Kate, 29, termina neste dia a chance de uma vida livre onde ela possa tomar suas próprias decisões. Para seus pais vai ser mais ou menos como se sua filha estivesse morta. Ela não é mais parte deles, e sim um ser aristocrático, inalcançável para um jantar em família de vez em quando.

(…)

Presentes na Westminster Abbey estavam alguns amigos e membros da família, entre eles estavam lá pessoas estranhas e seus agregados. O Rei Mswati, um déspota 13 vezes casado da paupérima Suazilândia, chegou lá com 50 acompanhantes. Também chegaram algumas autoridades árabes, alguns deles acabaram de permitir que manifestantes fossem baleados em seus países. Quem quer se casar em uma comunidade assim?

(…)

O mundo inteiro aguarda para admirar o vestido de noiva de Kate, cuja designer mal vai conseguir se salvar entre tantos pedidos. Mas a moça que veste o vestido vê um futuro que para uma mulher inteligente do século XXI não pode ser verdadeiramente muito desejável. Kate tem apenas três tarefas na vida: servir ao marido, manter a boa aparência, ter filhos, de preferência meninos. Além disso: manter-se calada.

(…)


Forte, né? Em mim causou o que eu chamo de “incômodo necessário”. Saí do transe. Se é que cheguei a entrar nele.

Tem outro texto também publicado no mesmo jornal, que faz a crítica de forma mais branda mas exalta o amor dos dois. E ele termina assim, mais light:

(…) E porque não é fácil para um casal passar o resto de suas vidas sob observação do mundo inteiro, e porque eles não podem fazer nada a respeito disso, já que ambos são o que são, a saber: sua alteza Real, neste momento e de todo coração: muitas felicidades e boa sorte, Kate e William! Vocês vão precisar.

Em tempo: eu saí do transe, mas que foi bonito, foi! Que tenham uma história bem mais feliz do que a dos pais do príncipe.

29Apr2011

O bolo real

Eu acho que Kate não leu nossos posts sobre a campanha “Abaixo a pasta americana!” …Da uma olhada no bolo que foi assinado pela cake-maker Fiona Cairns.


Imagens AGNews