Life

23Sep2016

Da série: quem casa quer casa & Banheiro brilhante

Hoje é sexta-feira, ou seja, dia da série: quem casa quer casa e o assunto escolhido é: como deixar o banheiro brilhante?

Quando deixei a casa da minha mãe para morar com o meu noivo eu não sabia nenhum truque de limpeza. Toda vez que limpava a casa, o cheirinho agradável de limpeza não durava muito. Na verdade, não duravam nada. A casa nem parecia que tinha sido limpa. E isso me deixava muito frustrada. Mas tudo bem, eu nunca tinha sido uma dona de casa até então rsrsrs.

banheiro

Como todo mundo sabe, a prática leva a perfeição. Sim, tem coisas que ainda não sei fazer, eu confesso, mas nada como ligar para a mãe e pedir, certo? rsrs

Como deixar o banheiro brilhante?

O banheiro é um ambiente da casa que merece estar brilhando. E para isso, podemos usar alguns truques.

Eu tenho um certo problema com aquele lodo que forma no rejunte dos pisos e azulejos. É algo que eu odeio com todas as minhas forças rsrs. Eu costumava limpar com sapólio e muita, mas muita força. Depois da dica que encontrei no Google de usar bicarbonato de sódio, uma escovinha com certas duras e água quente, minha vida mudou!!!! Vocês podem até achar um exagero, mas é tão bom não precisar me matar fazendo força para remover esse lodo chato rsrs.

limpeza-banheiro

Imagem via Google

Para o vaso sanitário, eu uso água sanitária. Despejo uma quantidade dentro e nas laterais e deixo agir por alguns minutos. Após esfrego bem e puxo a descarga. Para dar um cheirinho, coloco um pouco do Veja Perfumes (adoro). Por fora, uso o mesmo processo descrito acima com bicarbonato de sódio, mas no lugar da escovinha uso um pano macio só para isso. Esse processo retira odores e bactérias.

Faço o mesmo com o lixo do banheiro.

Ao começar a limpar desta maneira, eu tive a sensação de que meu banheiro está ainda mais limpo.

Qual é a maneira que vocês limpam o banheiro? Deixem nos comentários para trocarmos experiências.

20Sep2016

Trash the Dress – Julia e Lorran

Uma das coisas que mais amamos nos trash the dress, são os locais que os casais escolhem para tal façanha…
Pois bem, e o que podemos dizer com a escolha feita pelo Julia e o Lorran?
EXPETACULAR, TALVEZ!!! rsrsrs

O palco escolhido fica na Bolívia e há tempos, não víamos algo tão majestoso!!! Mais detalhes, vocês ficam sabendo no depoimento abaixo!

Inspirem-se!!!

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

Como surgiu a ideia do trash?

A ideia o Trash sempre existiu, pelo menos desde que conhecemos o trabalho e o Giovani. Após ele mostrar alguns trabalhos, ficamos encantados com a ideia de uma Trash the Dress, mas nunca quisemos fazer logo após o casamento, sempre pensamos em fazer após 1 ano de casados, para se tornar uma comemoração, uma lembrança do momento mágico que vivemos no nosso casamento. Ficamos pensando em como seria legal vestir o vestido de noiva e o terno depois de 1 ano de casados. Se a roupa ainda iria caber, porque sempre falaram que depois de casados o casal engorda e tal. 

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

Como foi o roteiro?

O Roteiro foi todo em cima do montado pela agência de turismo, nós tivemos também a sorte de pegarmos um guia muito legal e nos levou em lugares fora do roteiro normal. Conhecemos e tiramos fotos em muitos lugares incriveis, dentre eles: Laguna Branca; Laguna Verde; Laguna Colorada; Potosí; Geysers Sol de Mañana; Árbol de Piedra; Laguna Hedionda e o magnífico Salar de Uyuni.

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

Como foi lá?

A viagem foi sensacional, apesar de todos os perrengues que passamos, de altitude, frio, dor de cabeça, falta de ar, ficar sem tomar banho, horas dentro de um carro quente, sempre que chegávamos num dos pontos, numa laguna, era gratificante. Eu me senti presenteada por poder estar em um lugar tão incrível, com pessoas tão especiais. O nosso grupo estava muito sintonizado, com uma energia muito positiva, até o motorista/ guia entrou na nossa vibe. 

O Giovani e a equipe deles foram sempre muito cuidadosos e preocupados conosco. Não víamos eles como pessoas que estavam prestando um serviço para gente, víamos como amigos que estavam num projeto muito gostoso e único. Foi uma experiência de vida, que vamos levar para sempre em nossa memória e coração.

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

trash the dress Bolívia

Teve alguma historia engraçada?

Histórias engraçadas não faltam, mas foi unânime a escolha da história do Durepoxi como um dos momentos mais engraçados da viagem. Ainda nos adaptando aos efeitos da altitude e às temperaturas negativas, paramos em Potosí, 4278m acima do nível do mar, para passarmos a nossa primeira noite. O frio era insano, entrava pelas frestas da janela e todo mundo acabou debaixo de várias camadas de roupas de frio, além de sacos de dormir e os edredons do hostel. Pegar no sono foi difícil, mas em algum momento o frio foi saindo de cena… Tudo começou quando o Éder, fotógrafo assistente do Giovani, resolveu acordar todo mundo no meio da madrugada, dizendo que não estava conseguindo dormir, sendo que ele tinha passado a noite inteira roncando e perguntou se estávamos com calor. Como alguns disseram sim e outros não, ele começou a falar de um tal de Durepoxi, enquanto tentava tirar as camadas de coberta desesperadamente. “Eu tô morrendo, não tô conseguindo respirar”, ele começou a dizer, “acho que tô com Durepoxi”. O Lorran (meu marido) só conseguia responder “como tu não está conseguindo dormir? Você roncou a noite toda, apaga essa luz logo e volta a dormir”, Giovani e Luiz Fellipe diziam “tá calor mesmo”, e eu ainda estava com frio. O Luiz Fellipe, tentava dizer pra ele que ele não estava morrendo, mas ele ainda ficou muito tempo esbravejando que achava que estava com Durepoxi, que ele tinha visto um filme no dia anterior à viagem sobre isso e que ele estava com os sintomas. Ninguém deu atenção para ele, até que ele se acalmou e voltou a tentar dormir. No dia seguinte acordamos e constatamos que ele não tinha morrido, e queríamos entender o que era o tal Durepoxi. Ele explicou que não era Durepoxi e sim Hipoxia, que é o baixo teor de concentração de oxigênio no corpo e um dos sintomas é calor em excesso. Durante todo o restante da viagem, qualquer sintoma que sentíamos por conta da altitude virou Durepoxi.

trash the dress Bolívia

Ficha técnica:

Fotógrafo: Giovani Garcia

Locais: Salar Uyuni, Lagunas Verdes e Colorada – Bolívia

Casal: Julia e Lorran

19Sep2016

Da série: desabafos & Reflexões & O despreparo de alguns fornecedores

Eu estou horrorizada com um desabafo feito por uma pessoa sobre a dificuldade que as mulheres negras tem para achar um vestido nude. Esse assunto surgiu em um dos grupos de desabafos que eu participo e fiquei pasma ao ver a quantidade de meninas contando histórias do que passaram e como as lojas estão despreparadas para atender esse público.

Vou tentar resumir um pouco a história para vocês entenderem o que aconteceu.

A sobrinha dessa pessoa foi convidada para um casamento. Como todas as mulheres, ela foi em busca do vestido perfeito para a ocasião e se encantou por um modelinho rosa bordado com tule nude. Acontece que, o nude do vestido não era adequado ao tom de pele dela, ou seja, a loja deveria trocar/adaptar o vestido ao tom correto. Afinal, NUDE é de acordo com o tom da pele e gente, moramos num país tropical com miscigenação de raças. Logo, as lojas deveriam estar preparadas para esse tipo de situação, certo? ERRADO. Aliás, certo elas deveriam, mas não estão.

black_tie_bride_jenna_petersen_wedding_photo_009

Imagem via Google

O que me deixa mais indignada não é nem a loja não estar preparada, mas o fato das vendedoras tentarem empurrar algo que não fica bem a cliente só para ganhar a comissão no final do mês. Me desculpem, mas o tom nude para a minha pele (que é quase transparente, diga-se de passagem rsrs) não fica bem em uma mulher negra e vice versa!!!!

Sei que não sou negra e não estou tomando as dores das pessoas que passam por isso ou defendê-las ou nada do gênero. Estou falando sobre isso para chamar a atenção dos fornecedores que não se adaptam ao cliente. HELLO lojas, vamos acordar para a vida?!!!!

No desabafo, a moça ainda comenta que seria interessante abrirem uma loja especializada nisso. Mas gente, convenhamos, não é necessário separar uma loja que atenda a negras, outra que atenda a brancas, outra que atenda a amarelas, as empresas que devem se adaptar aos interesses dos clientes!!!! Se não conseguem fazer isso, como mencionou uma design de moda lá nos comentários do grupo, que fechem as portas!

13Sep2016

O primeiro ano de casada

O que dizer do primeiro ano de casada? Ele é o mais difícil, o mais complicado e ao mesmo tempo uma delícia. Apesar de estarmos de lua de mel e ser tudo novo, é no primeiro ano que descobrimos todas as manias da pessoa amada. Parece que neste período elas são maximizadas. E isso acontece porque estamos tão acostumadas a um sistema quando moramos sozinhas ou na casa dos pais e do dia para a noite temos esse sistema virado de cabeça para baixo. Temos que nos acostumar com novos padrões e novas atitudes e nem sempre isso é fácil para os casais, tanto da parte dele quanto da nossa!

primeiro-ano-de-casada

Imagem via Google

É no primeiro ano de casada, que a maioria dos casais, pensam no divórcio. O estresse dos preparativos do casamento adentram na vida de casado causando muito desconforto e minando a relação. Agora adicionem o novo padrão de atividades e manias. É para levar qualquer um que não esteja pronto a loucura!

E isso é mais normal do que vocês podem imaginar. A maioria dos casais passam por isso, mas ninguém conta! Todos acham que depois do “Yes, I Do” a vida se transforma em uma felicidade constante e não é verdade. Quando casamos, diariamente enfrentamos desafios e obstáculos para manter a chama da relação acesa.

As pequenas brigas sobre limpeza, quem vai lavar os pratos depois do jantar, sobre lavanderia começam a afetar o relacionamento e a ficarem mais seguidas. Apesar de agora passarmos mais tempos juntos, a qualidade desse tempo deteriorou. E se não fizermos nada para mudar isso, nosso relacionamento irá ralo abaixo.

primeiro-ano-de-casada

Imagem via Creative Motion design

É preciso um esforço para que a rotina não esmague nosso relacionamento e esse é um dos maiores obstáculos que temos que ultrapassar quando o assunto é casamento. Ambos devem estar decididos a fazer com que a relação dê certo para que ela realmente funcione!

Altos e baixos fazem parte da vida e do casamento, mas a maneira como lidamos com isso é que garante a continuidade do relacionamento ou seu término.

E o que eu sei sobre isso se ainda não casei? Eu já moro com o meu noivo há 6 anos e o primeiro, apesar de ter sido delicioso foi o mais difícil. Ao mesmo tempo em que nos divertíamos muito juntos, brigávamos feio por pequenos detalhes. Até nos acostumarmos com as manias um do outro levou um tempo e deu muito trabalho, mas valeu a pena e ainda vale a cada segundo!